Por que depois do exercício se sente mal?

Muitas pessoas vão tentar te convencer sobre um determinado tipo de exercício, e dizer-lhe que ao fazer esse ou aquele exercício você e sentirá realmente mal.

Normalmente, estas são pessoas que estão com algo para vender, mas também podem incluir amigos e colegas entusiasmados com seus exercícios.

Algumas pessoas parecem ter um amor insano por exercícios e querem recomendá-lo a todos que elas conhecem.

Enquanto outras pensam diferentes. Quando você começa a tentar fazer exercício regularmente, é muito divertido.

Claro, pode haver algum efeito fantástico dos maratonistas “corredores”, mas a maioria de nós nunca persistiu o suficiente para encontrá-lo.

Em vez disso, temos a sensação de doença, a queima, caução muscular e muito mais.

 

A queima – Por que isso acontece?

Vejamos primeiro a sensação de “queimação”. Muitas vezes você vai ouvir fisiculturistas falando sobre essa sensação como se fosse mágico e altamente desejável.

Alguns até chegam a dizer que é altamente prazeroso ( tosse ). Se isso é ou não verdade é algo discutível, mas de onde é que isso é exatamente?

Especificamente, a queima é causada pela acumulação de metabolitos nos músculos.

Isso é em parte o resultado de sangue e oxigênio sendo bombeado para os músculos para fornecer combustível e nutriente.

Quanto mais você usa seu músculo, mais essa acumulação ocorre.

Simultaneamente, a contração do músculo também “atrai” o sangue naquela área, fazendo com que ele se acumule.

Enquanto isso, os subprodutos são criados como resultado do sistema de ácido láctico e glicogênio.

Tudo isso pode eventualmente resultar em uma sensação dolorosa que algumas pessoas acreditam é um indicador-chave que você fez o suficiente para desencadear o crescimento.

Exercícios de alta intensidade e curta duração envolve uma alta demanda energética que impacta a potencia aeróbica máxima do organismo solicitando alto grau de metabolismo anaeróbico.

Isso leva a diminuição dos fosfatos de alta energia do musculo como ATP (Trifosfato de Adenosina) e fosfocreatinina  (CP).

Enquanto que fosfato inorgânico (Pi), difosfato de Adenosina (ADP), Lactato e Íons de hidrogênio (H+) aumentam na medida em que a fadiga se instala.   

Uma boa ideia nesse caso é aumentar a respiração, praticando respiração profunda após os exercícios.

Assim você neutralizará os cátions de hidrogênio presentes na corrente sanguínea alcalinizando o sangue.

Quanto mais cátions hidrogênio presente maior será acidez, baixando o pH ideal dos líquidos corporais.

Doença ocupacional

A outra coisa que você notará e particularmente quando participar de exercícios de cardio (TIICD até mesmo por isso) é que você começa a se sentir um pouco doente.

Isto é novamente devido à acumulação de metabolitos e lactato, desta vez na corrente sanguínea.

Pensa-se que o corpo responde a este aumento de lactato com a sensação de mal-estar e que isso pode até ser um sinal que o corpo usa para forçá-lo a reduzir a intensidade de seus exercícios.

O lactato só é realmente criado durante sessões de treinamento muito intensivas e, como tal, é mais provável que ocorra quando você se empurra.

Eventualmente, isso leva ao “ponto de inflexão do lactato”, que é o máximo de lactato que seu organismo pode administrar em sua corrente sanguínea.

Quando isso acontece, você está pronto para diminuir a velocidade e retornar a um estado aeróbico.

 

DMIR

DMIR significa “Dor Muscular de Inicio Retardado” e é a dor que você sente no dia seguinte após o treinamento intenso.

Novamente, há algum debate sobre o que causa precisamente o DIMR, mas geralmente concorda-se, que ele tem a ver com “micro traumas no músculo”.

Ou seja, provoca pequenas injúrias na fibra muscular.

Mas isso tem um efeito benéfico, desencadeia o reparo subsequente e, promovendo o crescimento, mas também causa desconforto, pois essencialmente são ferimentos muito menores!

Há indícios de que, na etapa de alongamento muscular, as micro lesões acontecem em maior quantidade quando comparadas às demais fases de movimentos. Isto é, elas também podem levar à DMIR.

De um modo geral a dor muscular será a resposta aos movimentos de encurtamento e estiramento dos músculos em um treinamento, seja ele qual for.

As micro lesões nas membranas celulares induzirão uma resposta inflamatória.

Ou seja, as células de defesa, os leucócitos, irão contra essa condição que ameaça o funcionamento normal dos tecidos.

Mas essas micro lesões podem ser reparadas com maior velocidade pelo seu organismo. Se você estiver atento a sua alimentação de aporte físico.

Já está confirmado cientificamente que essas lesões tem muito a ver com sistemas e componentes como:

  • lisossomos,
  • tecido conjuntivo,
  • ação de radicais livres,
  • níveis de cálcio,
  • sua fonte de energia,
  • reações alérgicas…..

Por isso pensei em oferecer um guia de nutrição como forma de reforçar seu organismo e evitar danos por nutrição ineficiente. Você baixa-lo AQUI

Dores antigas Regulares …

E, claro, os exercícios também podem prejudicar. Quando você está erguendo pesos, você achará que você esfrega a pele nas mãos dolorosamente.

Quando você está jogando, você flexionará suas articulações e também seus pés dentro de seus tênis…

O treinamento dói… Mas quanto mais você faz, menos vai sentir dor! Lembre-se que a própria palavra pressupõe isso “Treinamento”.

Você está treinando seus músculos! E no inicios eles estão flácidos, sem atrofiados, encapsulados com uma camada de gordura.

Na medida em que você vai progredindo nos treinamentos vai consumindo gordura e criando mais músculos.

Em pouco tempo você sai de uma condição de músculos atrofiados para uma HIPERTROFIA muscular com muita força e vigor físico.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *